sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

2011?

  
    Hoje é o último dia do ano. Dia 31 de dezembro, de todos os anos, é o dia em que as pessoas geralmente param pra pensar o que fizeram durante os 365 do ano. Alguns se lamentam pelas coisas que não fizeram, ou pelas que não fizeram, outros se jubilam por tudo que fizeram, e sempre prometem fazer diferente e melhor no próximo ano. 
    Mas, todo ano é a mesma coisa, sempre as mesmas promessas e fazem sempre as mesmas coisas, e assim continuam a prometer todos os anos as mesmas coisas, que às vezes nunca se realizam. As pessoas devem tomar consciência de que não adianta prometer, e de que o novo ano não fará nada por elas, e sim elas mesmas que devem fazer para que o novo ano seja novo de verdade. Elas compram roupas novas achando que assim o ano será novo, mas na verdade ultrapassam o ano velho e chegam ao ano novo com atitudes arcaicas, desprezíveis e repugnantes.
    O ano novo é apenas o ano novo. Novo porque o velho terminou. Novo porque o calendário muda, os dias que foram em um certo dia do calendário antigo, nesse novo ano será em outro, um após ou um antes. Novo porque o adjetivo velho foi substituído pelo novo. Novo porque apesar de ser um dia como qualquer outro, se rompe com o ano velho numa data comemorativa.
    As pessoas costumam colocar no ano novo todo o peso da responsabilidade, das suas responsabilidades. Como se o ano novo fosse resolver seus problemas. Acredito que o ano novo está enfadado de tantas promessas, ele só será novo de verdade quando as pessoas passarem a exercer suas responsabilidades deixando de culpar os outros ou ao ano que passou, tudo o que lhes aconteceu.
    O verdadeiro sentido de ano novo é simbólico. Mas, para torná-lo real, temo que nos tornar reais e verdadeiros com as pessoas e conosco. Deixar de pensar uma coisa e fazer outra, só para agradar aos outros. Temos que deixar de mentir principalmente para nós mesmo. Deixar de dizer que vamos emagrecer, em que na verdade comemos mais do que nunca; deixar de dizer que vai mudar as atitudes, em que na verdade sabemos que essas atitudes residem dentro de nós, e não podem ser mudadas de uma hora para outra; de que vamos ser bons e respeitosos com quem gosta da gente, em que na primeira oportunidade as machucamos, e assim por diante.
    Mas, para fazer um ano novo de verdade, não adianta fazer promessas. O verdadeiro ano novo cochila dentro de nós, na espera que acordemo-os e faça dele algo de bom. Mas, o que fazemos? Nada! O que eu vou farei? Não sei! Não vou prometer mundos e fundos, vou apenas esperar que as coisas se concretizem aos poucos, sem pressa e sem demora, tudo no tempo certo. Será que farei o ano ser novo de verdade? Creio que seja o desejo de todos nós. Mas, nem sempre fazemos por onde as coisas aconteçam. 

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Menina de ouro

    
    Existem muitas meninas de ouro. Posso me considerar uma. Todos os dias, elas saem em busca dos seus sonhos, tomam porradas diariamente, mas não desistem. Conseguir o que tanto almejam é o seu ponto final, por mais que o resultado não pareça, para os outros bom o suficiente. 
    O final é apenas um ponto de vista. Hoje, estou aqui, e posso dizer que estou construindo minha felicidade, apesar de não ter tudo aquilo que quero, pois meu querer não pode ser realizado por completo. Também não teria graça nenhuma, se assim acontecesse.
    Todas as meninas de ouro apanham muito para conseguir seus objetivos, mas, "tudo vale a pena se a alma não é pequena", assim já dizia o sábio poeta. Para elas não há medo o suficiente para pará-las, nem luta que as derrubem, nem barreiras que as parem.
    Jab, nocautes, diretos, cruzados, hook e uppercut são desferidos à todo o momento por elas para se defenderem! 


domingo, 26 de dezembro de 2010

A vida e suas surpresas

    A vida nos surpreende a todo o momento. Uma hora você recebe a visita de alguém que não esperava, outra de um alguém que não via a muito tempo ou de alguém que tenha discutido por motivos mesquinhos e medíocres. Às vezes, nos surpreendemos com um alguém que achávamos que não nos conhecia, que passamos desapercebidos por ela, mas pelo contrário, fui vista! Uma hora coisas são levadas embora, outras são trazidas sem muito esforço. Às vezes, estamos muitos felizes, outras ficamos tão tristes que, às vezes, nem sabemos o real motivo dessa tristeza. E assim vivemos nesse redemoinho de sensações trazidas pelas surpresas, que nos surpreendem! Viva la vida!

sábado, 25 de dezembro de 2010

Qual o verdadeiro espírito de Natal?

    Qual o verdadeiro espírito de Natal? Na minha concepção não existe mais espírito natalino, hoje somos impulsionados pelo espírito capitalista, que move todas as relações, inclusive a humana, familiar. Mas, as pessoas querem se enganar com essa mentira, tudo bem. Não sendo radical demais, ainda defendo esse espírito em poucas ou quase em mínguas familias. Familias essas, que considero tradicionalissímas, e que com certeza devem viver em algum lugar isolado do Brasil ou do mundo, para não se contaminarem com o exagero que vivemos hoje. 
    O espírito do natal é consumir exacerbadamente. Ir aos shoppings e gastar todo o décimo terceiro com presentes, até mesmo para aqueles que mal falamos durante os 365 dias do ano, mas para fazer a política da boa vizinhança é necessário. 
    A ceia natalina agora é servida em bares, motéis, esquinas e vielas de qualquer lugar.A mesa só serve para decorar o ambiente que costumou-se a chamar de sala, muitas vezes de jantar! Porém, quando acontece a tão antiga ceia, que nos faz lembrar de Cristo e seus doze apóstolos reunidos, e que dividem o pão e bebem o vinho, ela é feito num murmúrio e nos burburinhos de fuxiquinhos, um querendo comer o outro à garfo e faca!  
    Quando iremos recuperar esse espírito? Nunca! A tendência é continuarmos nessa hipocrisia. Como diz Joanna Guerra: Eu adoro a hipocrisia do Natal!

O que as pessoas levam de nossas vidas?

    O que as pessoas levam de nossas vidas? Muitas pessoas inescrupulosas levam nossas próprias vidas, nossa paz, nossos amores, nossa alegria, enfim, nosso sorriso. Às vezes, levam o melhor que temos: o amor. Às vezes, não levam nada, mas, deixam rancor, ódio, mágoas. Levam também os bens materiais. Mas, deixam os dedos, os ouvidos e a vida, que são os mais importantes, intactos! Eles levam, mas a vida nos dá em dobro tudo o que perdemos. Tudo é só uma questão de ponto de vista, pois eles acham que estão furtando um bem, mas pelo contrário, estão é cavando suas próprias covas com as próprias mãos, e com os próprios punhos cravando seus nomes nelas! 

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Memórias de minha vida

   


 Hoje, mais um ano, mais um aniversário, mais uma aurora de minha vida. O que fiz? Fiz muita coisa, como deixei de fazer outras. Porém não me arrependo de ter ou não ter feito. Ainda tenho tempo para fazer o que não fiz, e para fazer o que está em meus planos. 
    Mais um ano de vida, mais um número no contador da vida. Muitas experiências no lattes, muitas histórias para contar, muitas divagações... O que virá daqui pra frente? Sinceramente não sei, pois minha vida ultimamente tem se tornando uma caixa de surpresas. Mas, o que vier é lucro. O que não vier fica pra história, pra contar histórias. Vou fechar os olhos e esperar por elas, sem medo, sem receio de errar ou acertar. 
    As memórias em si deixo-as para contar daqui pra frente ou até mesmo para vocês contá-las. Está muito cedo para ter reminiscências de qualquer tipo que seja. Não quero viver o presente pensando no passado, ele já passou, e não volta mais. Ele, sim, servirá para mudar o rumo da história, para fazer o que não fiz e para refazer o que ficou gauche. Quero viver a minha vida pensando no hoje, no agora. O futuro é uma incógnita, vou construí-lo aos poucos sem a mínima pressa! Entre viver e morrer fico no meio esperando algo acontecer! 

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

À flor da pele!

video


    "Só sei dizer, que não sei ser humana, não sei conviver de dentro da alma triste, com sonhos que não se ama. Não sei ser útil, mesmo sendo ser prático, cotidiano e nítido. Amei e odiei como toda gente, mas, pra toda gente isso sempre foi normal e instintivo. Para mim, sempre foi exceção, o acaso, tristeza, o óbvio. Eu não sei se a vida é pouca ou demais para mim. Eu não sei se eu sinto de mais ou de menos. Só sei que a vida, de tão interessante que é a todos os momentos, a vida chega a doer, a pulsar, a sangrar, a ranger, a dar vontade de dar pulos, de sair de todas as lógicas, de todas as casas e de ser selvagem, entre árvores e esquecimentos. Eu não sei se eu sinto de mais ou de menos, mas, o amor sempre foi o meu lugar, e o meu coração não quer viver batendo devagar!"  
      
        Myllena Varginha, mais conhecida, apenas, como Myllena!

Música "Quando", cantada com a participação de Isabela Taviani, em 19 de dezembro de 2010, no Teatro SESC Casa do Comércio, Salvador - Bahia!


    Diante de tantas coisas, que me vem acontecendo, ultimamente, eu ando à flor da pele. Diante do espetáculo da vida, que acontece em minha rotina à flor da pele. Diante de palavras ditas escancaradamente, na frente de todo o mundo, que me faz parar, pensar, sentir, tão intimamente tudo o que é viver. O que um refrão desse pode causar em mim, não pode ser dito sem pesar.  
    Diante da tão complicada vida, que me faz rir, chorar, chorar rir, sentir raiva, ódio, tudo passageiro, a tempos que me faz pensar nela, vida, dia após dia, sem cessar. 
    Diante dessas palavras ditas, percebo que alguém se encontra no mesmo lugar que eu, que sente como eu sinto as coisas, a vida, o mundo. Diante de tão outra, mas, eu, um pouco de mim, de meu nome, ao mesmo tempo, no mesmo lugar, na mesma conexão de sentimentos. 
   Diante de tudo isso, sinto minha vida pulsando, minha pele queimando, meu corpo ardendo em brasas. Chama que queima, que pede para queimar, destruir, deixar em labaredas alguma coisa que alcance, que esteja ao seu redor. 
    A vida parece ter outro significado, o que não sei definir, ao exato. Mas, pra mim, ela é esse redemoinho, esse sentir, sem saber definir. Viver é tão complicado!
    Não sei ser humana. A humanidade me aflige com seu medo de viver, com a sua maldade, com o seu modo de ser, de sentir e de sonhar. Meus sentimentos seriam mesquinhos, se por um acaso eu fosse humana, de carne e osso. 
    Minha vida está muito além desse viver. Eu só quero dormir e sonhar, que nada disso é verdade. Que essa humanidade é onírica, utópica. Quero abrir os olhos e ver apenas um clarão, que me guiará por entre todos os caminho, onde quero  passar e chegar, e ir, caminhar, sem parar... 

sábado, 18 de dezembro de 2010

"Meu coração não quer viver batendo devagar"

    Meu coração não quer viver batendo devagar! Estou cansada dessa mesmice. Quero que ele pulse compulsivamente, pulse loucamente! Eu quero viver a vida desesperadamente! Estou procurando os meio possíveis para conquistar uma vida digna e de momentos felizes. 
    Estou conseguindo ter o que desejo: uma confissão sua. Eu quero tudo que você tem para me oferecer. Eu quero fazer você descobrir o que você ainda não sabe ou supõe não saber. Não quero sentir sozinha o que sinto nesse momento, quero dividir com você o calor que emana do meu corpo. Também quero sentir a temperatura da tua pele na minha - queimando-me -, sentir o teu cheiro, tocar os teus cabelos, beijar tua boca com sofreguidão.  Essa febre que me consome por inteira, é o que quero que sinta, queimando sua pele, sua alma, te consumindo plenamente. 
    Tudo isso que sinto por você é loucura. Uma loucura que quero sentir sempre por alguém. Uma loucura que me mantém viva, com sangue correndo nas veias, com vontade pulsando em meu ser e com amor para dar, sem restrições. Estou ansiosa para saber o que você pode fazer comigo e de mim. 
    Quero que você sinta, descubra esse sentir, aos poucos, sem pressa alguma. Não tenha medo ou receio de sentir algo por mim. Vamos descobrir isso? Diga sim pra mim *******? 

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Imagem by: laracouto.blogspot.com

De um lado a outro da ponta da corda bamba, eu sigo em seu traçado, segurando-me para não cair!
  

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Quinta-feira

   

    Tenho a sensação de que a semana só tem um dia: quinta-feira. Quando estou em casa, nesse dia, em frente ao computador, e, às vezes, quando descanso os olhos na tela da televisão, o que sempre vejo é a "Grande Família" e, logo depois, "Clandestinos: o sonho começou" e por fim "O que querem as mulheres", programas exibidos às quintas-feiras, pela Rede Globo de Televisão.
    Na quinta-feira é que passo a ter noção de que a semana está terminando, e que nem senti. Esse é o dia que reflito sobre as coisas que fiz, que não fiz, que poderia ter feito, e as que estão por fazer. Minhas quintas parecem dias de déjà vu. Mas, é bom pensar que as quintas é o limiar de minha memória. É bom só ter noção nos finais, para ter certeza que a semana está por terminar, e que se vai descansar, e que se vai reelaborar os planos, e que se vai sonhar novamente os sonhos deixados de lado.
    Mas, esse déjà vu deixa a sensação também de que as coisas não andam, elas parecem inertes. Parece que eu não saí  em momento algum da frente do computador e da televisão. Lá está eu, sempre com o meu baby-doll azul celeste. O corpo cansado, sono, os olhos quase fechando, e aquela sensação de que estou aqui com aquela sensação de que nada mudou. Mas, a semana passou, estou com essa sensação já tem quatro semanas, esqueço por algum tempo, mas essa sensação sempre volta, toda quinta-feira. Talvez seja para deixar marcada essa passagem do tempo, para me lembrar que estou sempre perto de completar mais um ano de vida, que estou ficando mais velha, que o tempo está passando e o que eu fiz?  Contei todas as quinta-feiras do ano que pude. Será que vou continuar com essa mania? Aliás, não é mania, é uma sensação tão natural, que é dificil prever quando vai acontecer ou até mesmo evitá-la.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

    Quem diria que de uma hora para outra eu mudaria minha concepção sobre a vida. Quem diria que, hoje, estaria aqui fazendo essa postagem sobre essa mudança. Mas, a vida é um "caixão" de surpresas! Ora desenterramos algo, ora enterramos e por fim algo ou nos assombra ou nos faz feliz!
    Mas, mudando de assunto, o que vim falar aqui não tem nada haver com tristeza, pelo contrário, tem muito é haver com alegria, felicidade. A felicidade que estou sentindo nesse momento é imensa, que tenho tanto medo que  tudo isso, que estou sentindo, se transforme, de uma hora para outra, em tristeza ou solidão. Esse medo é tão grande que chego a prender a respiração para conter tudo dentro de mim. 
    A felicidade que estou sentindo não vem só da minha vontade de querer mudar. Ela também vem de uma estrela, que me ilumina, e que nesses últimos dias irradiou sua luz sobre mim. Uma estrela guia, que está me ensinando e me levando pelos caminhos, não mais tortuosos, por onde eu caminhava, e sim por caminhos que insistia em não querer passar. 
    Essa estrela tem nome e sobrenome. Hum...  não sei o sobrenome dela, mas sei que os seus dois nomes, é isso mesmo, ela tem dois nomes (risos), são fonte de inspiração. Uma pessoa maravilhosa, que passei a conhecer mais nesses últimos dias. E que acima de tudo está me fazendo muito bem, e sendo o que eu esperava dela - não que ela tivesse por obrigação em superar minhas expectativas, mas pelo simples motivo de ver nela o que eu sentia em mim. Isso é muito louco, não sei se vocês, caros leitores e leitoras e até mesmo você minha cara e rara estrela, conseguem compreender a dimensão do meu pensamento, se não conseguem, sugiro, apenas, que sintam. Só sentindo para me entender!
    Mas, enfim, é isso que queria dizer, não dizendo. Deixando para você achar o que bem entenderes, de tudo o que escrevi. Quero que essa reciprocidade cresça a cada dia, de uma forma saudável, respeitosa e com muitas surpresas e alegrias! Desejo que você viva sempre em minha vida, e que essa vida cresça e floresça, eternamente se possível, mesmo que o eterno seja efêmero. Eu desejo essa eternidade! 



Se eu pudesse te descrever, papel e caneta não me bastariam.
Se eu pudesse te pintar, uma tela seria insuficiente pra caber a beleza de teu ser.
Se eu pudesse vir a existir, eu seria toda em você!

                                                                                          À JoyNanda!

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

    Todos os dias venho aqui e vejo que nada mudou. Os sentimentos são os mesmo. Quem sabe o que mudou seja a forma de sentir? Cada dia penso sentir mais intensamente cada dor que me aflige nesse momento. Será que tem ou terá sentido tudo isso que sinto? Será que isso é só momentâneo? 
    Todos os dias tento mudar essas minhas sensações, essa minha vida, esses meus sentimentos. Mas, a cada tentativa isso me faz relembrar tudo que tento esquecer. Deixei pessoas de lado, "esquecidas", por um tempo, mas isso não me ajudou muito. 
    O que sinto é tão intenso que essa intensidade parece me engolir. Os sentimentos são os mesmos, e a cada dia ele se intensifica. A quatro dias atrás tentei mudar a minha vida, mas, se arrependimento matasse eu estaria morta e bem enterrada. Foi um dos piores dia de minha vida, dentre os outros muito que são completamente iguais. Sei que enquanto não resolver essa pendência que me assombra todos os dias, nunca serei feliz, nem farei dos momentos de minhas tentativas de mudanças uma felicidade passageira, como toda felicidade.
    Queria poder acordar todos os dias e esquecer todos os dias o que fiz no dia anterior. Igualzinha aquele filme que é transmitido pela Rede Globo, sempre. Mas, não tenho tanta sorte assim, então estarei sempre aqui relembrando essas coisas que me afligem.     

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Cheguei ao centenário

    Estou chegando a minha centésima postagem. Gente são 100 textos escritos, uns grandes outros grandíssimos e outros pequenos e pequeníssimos. Escrevi coisas demais, coisas de menos. Escrevi sobre mim, sobre os outros, mas os outros tinham haver comigo.  
    É como se fossem cem anos, e a cada ano eu escrevesse um texto, para contar um pouco mais sobre o que vivi. Mas, não foram cem anos que se passaram, ainda não chegamos nem ao final do ano por completo, apesar de faltar muito pouco para que ele se finde. Foi apenas um ano, um ano apenas em que eu escrevi todas essas coisas. 
    Alguns textos são alegres (alegres na minha forma de ver), outros são extremamente lúgubres, decadentistas. Aqui é meu diário intimo, não tão intimo, que divido com os internautas as minhas alegrias e dores. Espero melhorar o teor alcoólico, "chorístico" e artístico dos textos ao longo de minha odisséia "bloguística".
    Mas, sinceramente, acredito ter chorado todas as lágrimas que enchia o meu ser. Transbordei-a todas num copo de martini com muito gelo. Não tenho mais sentimentos pra chorar, agora restam apenas reminiscências. Reminiscências que me perseguirão pro resto da vida, e não é uma hiperbóle, é  pura verdade. O passado me assombrará, me assombra no presente e assim será no futuro. Ele martela em minha cabeça toda hora, às vezes, me perco em meus pensamentos tentando me achar e sair desse labirinto. Mas, não consigo. 
    Mas, aqui são as memórias de minha vida, triste e "alegre". Aqui posso transbordar, falar coisas que jamais falaria. Espero continuar agradando ou quem sabe desagradando à muita gente. Meu objetivo aqui não é agradar à ninguém, mas a mim mesma, às vezes, até acho que a um alguém que vive em mim, uma outra. Não me implorem pra mudar, jamais isso acontecerá!
    Dessa forma, continuarei aqui, pelo menos até enquanto eu viver. Espero escrever mais uns cem ou mil textos!

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

    Será que as coisas são assim mesmo como estou vendo, pensando? Acho que estou tendo um pesadelo. Quero acordar, urgentemente. Não foi dessa forma que imaginei minha vida lá nos tempos áureos. Merda, merda, merda...
Quero sair desse buraco. O que faço?
Alguém aí me dá uma resposta, pois nada me vem à cabeça, já queimei todos os meus miolos. 
Aff!

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Alguém aí, por favor me responde.
Diz alguma coisa, emite algum só.
Acho que estou ouvindo ecos nesse oco de gente.
Será minha própria voz?
Ou a sua?

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Nossa rua

    Essa é uma poesia de um grande poeta e intelectual do curso de letras. Roubei-lhe a poesia para colocar no meu blog, reservando-lhes todos os direitos possíveis sobre a mesma. Em uma única palavra diria: estupendafenomenalexcelente! Ah, se essa rua fosse minha...



Quem casa, quer casa
Loucura não faz
Quem ama, quer rua
Para amar em paz


Rejeito o privado
Também não é público
Só amor desvairado
Fora de um quarto cúbico


Comprei nossa rua
Pra te ver nua
Ao banho da lua
No espaço da noite


Roubei um banco
Comprei nossa rua
Cenário de amor
Talvez seja preso
Por atentado ao pudor


                                      William Santos, 17/11/2010 - 2:07 am.



"E hoje a noite não tem luar  

E eu estou sem ela

Já não sei onde procurar
Não sei onde ela está

Hoje a noite não tem luar

E eu estou sem ela
Já não sei onde procurar
Onde está meu amor?"

                                              Renato Russo

domingo, 28 de novembro de 2010

R$ 82,00 REAIS

    Se é para reclamar vamos começar. Como assim? Sim, sim. Benjamin Moser, especialista da obra Clariciana, da minha tão amada Clarice Lispector estará na UFBA. Mais que maravilha, que noticia espetacular! Para quem perdeu sua palestra na inauguração do teatro Eva Herz, na então recente lançada Livraria Cultura no Salvador Shopping, no dia 25/11/10, não pode perder essa, que será realizada no dia 29/11/10.  
    Para os adoradores, os fãs, os incrédulos, os céticos da obra clariciana compareçam, para deglutir esse momento tão esperado de estar face to face, com alguém que "conhece Clarice a fundo". Tenho certeza que esse é o momento tão sonhado de quem um dia desejou ter conhecido Clarice, mas como não teve essa chance na vida, se deleitará apenas com uma espécie de "autopsicográfia" com Moser. 
    Mas, eu vou logo avisando, vá com a carteira munida de muito dinheiro. Pois tenho certeza que todo adorador da obra clariciana quer comprar o mais novo lançamento que contenha o nome da autora, mesmo que não tenha sido ela que tenha inscrito. Mas, vale apenas, pois é o especialista que estará lá! E um livro dele custa apenas R$ 82,00 reais. Se assustou? Não se avexe não meu rei! As coisas são assim mesmo, nada sai de graça nem barato. Faça um esforço e compre o livro, antes que seja tarde, pois daqui a uns dias estará esgotado, daí já viu o perrengue né!?. Tire um pouquinho daqui e outro dali que tudo dará certo. Vou te dar a receita: 1º retire pelo menos R$ 30,00 reais do seu metropasse, R$ 10,00 da xerox mais R$ 30,00 do almoço e... de onde vou tirar os outros R$ 12,00? Ah, já sei! Se você estava pensando em ir ao UCI Iguatemi pegar uma sessão de cinema com seu namorado(a) esqueça, o livro é mais importante e vale apena pois eu sei que sua alma não é pequena! 
Today, tomorrow, always!

Estou aprendendo a viver só

    Estou aprendendo a viver só. Eu e eu mesma. Nem sempre podemos confiar nos outros, e quando achamos que confiamos, e que essa pessoa nos conhece, daí vem a surpresa: não era nada daquilo que imaginávamos  e esperávamos que acontecesse e que a pessoa agisse. Mas a vida é assim mesma, sem previsão, incerta, inconstante... 
    Mas, eu não consigo aceitá-la dessa forma. Isso para mim não é mais do que egoísmo, prepotência, arrogância, ignorância, intolerância e daí por diante. 
    Estou aprendendo com as porradas que as pessoas me dão e com as lições que a vida me trás, dia após dia. Ser só ou tornar-se só depois de conviver com muitas pessoas durante um período de vida, e logo após abandonar esse modo de viver é como se fosse um parto, você nasce de novo e vê a luz do dia pela primeira vez, outra vez, mas sem jamais se lembrar da vida passada, como se passássemos a um estilo de vida completamente novo, e de uma certa forma o é.
    Não sei por quanto tempo estarei enclausurada em meu mundinho. Espero que seja o tempo de uma metamorfose, para quem sabe sair uma outra dessa casca que me recobre o corpo hoje. Quero entrar em um novo círculo de vida, e espero que ele não demore a vir ou que venha e supra minhas expectativas, minhas dores, e que acima de tudo me faça esquecer minhas mágoas, minhas dúvidas, meus "anseios ansiosos por demasia". Quero ser outra com urgência, tudo isso foi pra ontem, mas não tive tempo de parar um pouco e transgredir minha alma  e meu corpo em busca de uma mente sã e um corpo sã. 


quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Você matou o resto do que existia em mim

    Você acabou de matar o resto do que existia de mim. De me matar. Não sou mais eu, não sinto mais nada. A única coisa que sinto é um vazio, um nada, um oco em meu peito, uma vontade de dormir e dormir eternamente nesse sono, para nunca mais acordar. Você feriu com várias punhaladas meu coração, ele já perdeu todo sangue que tinha, ele está virando pedra, duro, que não sente nada. 
    Esse negócio de amor próprio é balela. Pois, você sabe muito bem que isso não existe da forma que você tanto se ilude. Você sabe que para quem ama, o amor próprio é o bem de quem se ama, e que se vive e se morre para fazê-lo feliz.
    Sinto que preciso fazer alguma coisa para resolver definitivamente essa situação. Não sei se tenho coragem para tal coisa, agora. Mas, sei que no dia que me der na telha, eu faço. Não tenho motivação para continuar nessa peregrinação emotiva de vai e vem que vivo. Nada mais tem sentido, e nunca mais terá. Tudo que foi bom um  dia está perdendo seu significado. Agora só me resta muita dor no peito, muita raiva no coração e um vazio enorme na vida. Queria dormir agora e não acordar amanhã, para poder findar com essa angústia, solidão. 
    Você tem culpa de tudo isso que está me acontecendo, pois você é racional a tal ponto que não quer me compreender, mesmo compreendendo por dentro. Você se sente na liberdade de magoar, humilhar, maltratar quem quer que seja, e principalmente a mim, e não tem coragem de pedir desculpa. Você se ofende com o que te digo, e eu? Você acha que devo aceitar tudo que você me diz, como se fosse a única verdade? Você está se engana, pois aqui dentro até hoje, tinha um coração, mas, você acabou de sufocá-lo com sua prepotência, arrogância e egoísmo. O que eu sou hoje, ou melhor o que você fez comigo? Me transformou em um ser resignado, humilhado, magoado, maltratado.
    Um dia você vai olhara para trás, mesmo que essa não seja sua meta ou do seu feitio. Você sentirá necessidade de olhar para o passado e ver as coisas boas que você jogou no lixo, destruiu por causa de sua arrogância e egoísmo. Você verá quem realmente te amou, quem realmente se preocupou com você, com seus sentimentos, e pesará na tua consciência se valeu apena ser assim, e ter se transformado no que se é agora. Mesmo que você diga que não se arrepende das coisas, nesse dia você vai se arrepender amargamente de tudo que fez comigo. Sentirás necessidade de falar comigo e de finalmente pedir perdão. E eu? Eu como sempre estarei aqui para ouvir o que tens a falar, como sempre. 
Não apareça nunca mais na minha vida se seu objetivo for o de continuar na mesmice. Cansei de você ser assim, e as pessoas aceitarem, ou melhor eu aceitar. Só apareça na minha frente quando você se arrepender das coisas que me faz e que me diz, como se fossem as mais naturais do mundo. Eu estou muito magoada com você, e não sei se essa mágoa e cicatrizes se cicatrizarão em meu coração um dia. Sei que nada será como antes, por isso tudo isso é uma farsa, a vida é uma farsa. Então me pergunto pra que viver???????? Você tinha o poder nas mãos de mudar o rumo da história, mas preferiu destruir nossas vidas dessa maneira infame e vil. Muito obrigada mais uma vez por todas as coisas que você me faz e me faz.     

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Segredos - Frejat

Eu procuro um amor "que ainda não encontrei"(grifo meu). Diferente de todos que amei
Nos seus olhos quero descobrir uma razão para viver
E as feridas dessa vida eu quero esquecer
Pode ser que eu a encontre numa fila de cinema,
Numa esquina
Ou numa mesa de bar.

Procuro um amor que seja bom pra mim
Vou procurar, eu vou até o fim
E eu vou tratá-la bem
Pra que ela não tenha medo
Quando começar a conhecer os meus segredos

Eu procuro um amor, uma razão para viver
E as feridas dessa vida eu quero esquecer
Pode ser que eu gagueje sem saber o que falar
Mas eu disfarço e não saio sem ela de lá

Procuro um amor que seja bom pra mim
Vou procurar eu vou até o fim
E eu vou trata-la bem
Pra que ela não tenha medo
Quando começar a conhecer os meus segredos

Procuro um amor
Que seja bom pra mim
Vou procurar, eu vou até o fim.

Eu procuro um amor
Que seja bom pra mim
Vou procurar, eu vou até o fim.

Acesso ao vídeo clip da música http://www.vagalume.com.br/frejat/

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

    O dia não foi tão bom o quanto imaginei. Mas, também não foi tão ruim, apesar dos poréns teve os seus proventos! Agora só me resta aquela dorzinha profunda e muito sono. Quero dormir e acordar bem amanhã, será que vou conseguir? Minha cabeça gira à mil!
Será que o dia hoje vai ser bom?

domingo, 21 de novembro de 2010

   



     Fecho os olhos e não consigo dormir. Só me vem a cabeça aquele momento, que não me sai da cabeça. Por um instante existi dentro de mim. Sentimento que a muito não sentia. Me brota uma sensação de leveza, de calmaria. Na alma só sinto que foi um sonho. Mas, não foi um sonho. Tudo foi tão real, tudo é real.
    Também não sei se quero dormir. Não quero esquecer aquele momento, que me parecia a primeira vez, de uma vez que foi única e que se repetiu de uma forma inesperada. Não quero que essa vez se repita, com tanta demora, como aconteceu agora. Quero que não vá mais, para que não haja essa espera, esse inesperado momento. Quero que fique. Que fique para sempre, como nunca antes ficara: sem partir uma só única vez.   

sábado, 20 de novembro de 2010

    Vou guardar para sempre, em minha memória, o dia em que te vi. Foi como se fosse a primeira, naquela primeira vez que te (r)encontrei.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Não gritem o meu nome em vão!




    Odeio que gritem meu nome inúmeras vezes sem motivo algum. Não chamem Milena! Milena! Milena!.... em vão. Não chamem esse "santo" nome em vão. Meu nome não é doce, mas é doce como um doce. Porém isso não te dar o direito de repeti-lo sem necessidade real. Quando tiver algo a me dizer sussure bem baixinho em meus ouvidos, que do fundo da alma te escutarei.

sábado, 13 de novembro de 2010

Vida louca vida, vida breve!

    La vida loca!

A ti! Senhora de si!






    Ei! Prazer em te ter por aqui! Sabia que um dia você iria aparecer, demorou, mas é melhor tarde do que nunca. Sabia que iria cumprir com sua promessa, apesar de sua enrolação (riso). Foi muito bom ter te conhecido, apesar da distância que nos separa e que nos une ao mesmo tempo. Saiba que é muito bom conversar com você, passar horas intermináveis dialogando, falando bobagens, trocando experiências e saberes. 
    Não sei se um dia essa distância terminará, mas sei que essa amizade permanecerá. Será? Acredito na força do tempo, das horas, da amizade e de Deus. Acredito na força da vida, que move, que une, que separa e que cumpre com o seu dever. Acredito em você e em mim. Acredito em nós e em tudo de bom que podemos dar. Sei que você tem muita coisa boa aí dentro. Não sei se tenho tantas coisas, mas se puder contribuir com um pouquinho que seja, para mover montanhas, moverei céus e terras!
    Vamos fazer dessa amizade, não apenas mais uma, mas vamos somar, multiplicar e dividir tudo de bom. Sei que você sabe, de uma forma ou de outra, que eu estou falando com você. Ah, sabe sim, quer ver? Quem é que adora fazer loucuras, e que também não gosta de fazer nada, de se preocupar com nada, de fechar as cortinas num sol de rachar e dormir? Claro que é você! Completamente o oposto de mim (riso). Mas, isso não é um problemas, é uma solução, os problemas estão longe da gente, no nosso vocabulário essa palavra foi extinguida.
     Vamos brindar com uma bela taça de cerveja, de vinho, uma dose de vodca, de martini, Whisky  ou sei lá o que quer que seja, pode até ser água. Vamos brindar a essa, e a muitas outras amizades. Vamos brindar as suas futuras conquistas, quero estar na inauguração viu? Vamos brindar aos 20, 24, 30 anos. A maturidade antecipada, aos desejos inconstantes, as novas descobertas, a tudo de bom que a vida nos proporciona, e que às vezes, deixamos escapar por entre os dedos. 
    Vamos brindar a nós! Então viva!

quinta-feira, 11 de novembro de 2010





    Vou dormir o sono dos justos. Fechar os olhos e divagar em meus pensamentos. Navegar no mais onírico do meu ser. Beber do mais profundo de minha alma. Submergir completamente nova de todo esse caos. Esquecer que sou eu, que fui eu, que um dia pensei ser. Esquecer de você, de mim, de todo o mundo. No meu sonho nada mais existe. A paisagem agora apenas ruína. Pó, poeira, suor, um gosto acre na boca. Boca seca, sedenta, desejante de ódio. Lábios rachados, chão do sol escaldante. Cabelos revoltos ao vento, emaranhados caracóis em cascas ou ninhos de ovos? Estou tão cansada, chega de divagações por hoje, vou dormir...
    

    Não sabia que as coisas seriam tão difíceis assim. Se soubesse não teria pedido para nascer. Aliás a força involuntária da natureza me fez ser eu. Ser e não ser é a questão. Pensei que seria assim, mais fácil, mas nada é como pensei. Pensar cansa, pois pensar requer um exercício constante de mudança de pensamento, isso fatiga o cérebro e a alma. Queria voltar pelo ventre materno, por onde nunca deveria ter saído.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

"As melhores coisas do mundo"

    A vida é cheia de surpresas, umas boas outras ruins. As ruins superam sempre as boas. Assistir um filme já não é mais uma simples atividade de prazer. As reminiscências reviram a cabeça. A alma chora o que os olhos não deixam transparecer. Chega uma hora que o Nirvana não vai mais te salvar de coisa alguma. Que você vai cresce e as coisas não vão melhorar, só se complicarão mais e mais. Que você pode perder uma perna, um braço e continuar vivendo. Mas, sabe que se perder a alma tudo se acaba. E se acaba perdendo sempre o melhor de tudo. 
    Remédios sólidos já não te fazem mais desaparecer desse mundo, e comprar um lugarzinho em Marte, já não é mais a solução para merda nenhuma, pois um dia vão tomar seu espaço e expulsá-lo sem dó nem piedade. É tudo uma merda, completa merda. A morte já não te faz desaparecer como antes. Você foi fraco, as pessoas só lembrarão de você assim. Dirão que você tinha tudo, e que muitos pessoas desejariam estar em seu lugar. É sempre esse mesmo blá, blá, blá. Quem tem boca fala o que quer, quem tem sentimentos sofre o que não quer. Tentar suicídio? Só se for para tomar a dose certa e morrer de vez. A gente sempre tenta cometer suicídio, uns acertam a dose, outros erram a mão. os que não tentam, pensam, mas não tem coragem o suficiente para tal.
    Depois de uma certa idade deveríamos voltar para o útero, mas ao invés disso ficamos aqui fingindo que as cosias serão claras, porque o útero já não nos parece o suficiente para viver. O primeiro amor é sempre o último, e não é exagero. Façamos os cálculos, as melhores histórias de amor terminaram em tragédia. Depois dele as coisas não tem mais sentido, pois você amou e jurou amor eterno por uma pessoa, que um dia te abandonou por outra, como se nada tivesse acontecido. Um simples objeto descartável. E não adianta apelar  para os justos ou a justiça. Você ama uma pessoa que não te ama, ponto e basta. Puta que pariu! É difícil esquecer, compreender. Por isso se fica assim resignado, magoado, com um enorme vazio dentro de si.
    Você já não sente mais seu coração bater. É como se tivessem arrancado ele de dentro de ti. Às vezes, parece que já não se existe mais, que tudo isso é uma ilusão. A solidão é uma faca de dois gumes, te faz esquecer, mas te faz lembrar. Eu queria ser como todo mundo, mas sou diferente caramba! E ninguém compreende essa necessidade que tenho de ser diferente. É fácil julgar os outros, pois não se sente na pele a dor que o outro sofre.
    Um dia a gente descobre que não se vive, que tudo isso é ilusão, pura ilusão, doce ilusão! Mas, a gente acaba vivendo essa ilusão como forma de aplacar as dores, sabemos que vamos sofrer de qualquer jeito. Então ao invés de correr, fugir e se esconder, dá-se a cara a tapa. Acaba-se apanhando, mas a vida é assim, no final é porrada! Não adianta escolher, os caminhos levam para o mesmo lugar. Quem ler um terço do que digo e pensar que sou ou estou louca, é puramente mentira, engano. Você só não quer admitir a verdade, que você mesmo vive. Só não quer trazer à tona as coisas que te perturbam. Deixa pra lá, viva sua vidinha como se ela fosse maravilhosa, um dia sentirás necessidade de colocar as coisas em pratos limpos, esse dia sempre chega.
    Ninguém tem coragem o suficiente para questionar a vida. As pessoas tem medo das consequências que os questionamentos podem desencadear. Quando alguém descobre as verdades da vida e as dores que ela pode causar, não adianta voltar atrás. Já não se é o mesmo, já não se pode voltar a ser. Já não se pensa mais, a irracionalidade é sua base, um verdadeiro animal que "não compreende o sentido da vida e de sua própria vida"
    Não adianta se auto-flagelar. Você vai morrer um dia ou outro. É o seu final, é o nosso final, de todo ser incapaz de lidar com as agruras da vida. As melhores coisas do mundo acabam se transformando em pó, no final você descobre que tudo era uma mentira do que te contavam quando criança. Daí você descobre que já não pode mais acreditar em contos de fadas, que eram as melhores coisas do mundo e que te faziam feliz. Mas, agora já não tens em quê ou em quem acreditar: não existem mais estórias mirabolantes e já não se pode acreditar em mais ninguém. Todo mundo mente, a todo momento. Tudo não passa de farsa!

sábado, 30 de outubro de 2010

Viva a "merdiocridade"!

    Político fazendo politicagem é igual a palhaço fazendo palhaçada. Ser palhaço é um a profissão séria, assim como ser político. Ser palhaço é trazer alegria para as pessoas. ser político é trazer melhoras para a vida do povo que o elegeu. Os palhaços cumprem muito bem o seu papel, apesar de não haver apoio para os mesmos. Já os políticos não posso dizer o mesmo. Agora, político quer se fantasiar de palhaço para ganhar mais credibilidade. Só que com isso, eles, os políticos, não percebem que estão destruindo a imagem do pobre palhaço, que tem que ficar o dia todo com os dentes nas orelhas pra ganhar um miséria.  
    O político, ou melhor, a politicagem está destruindo esse país que chamamos de Brasil, em que nem mesmo sabemos falar como nativos a própria língua. Um país democrático, que massacra a massa e o poder fica concentrado nas mãos de uns 200, não é milhões, os milhões deixei pra contar os 200 milhões de brasileiros ou de "bestaleiros"?
    E aí, já tiraram seu título de eleitor? Enfrentaram horas de fila? Viu a cara feia do seu chefe porque você pediu pra ir ao TRE? Pois é! E o pior ainda está por vir. Políticos mais sujos que pau de galinheiro, de chiqueiro, de poleiro ainda vão colocar suas asinhas? manguinhas? carteiras? cuecas e meias pra fora? Ou melhor pra dentro! O seu título vais servir pra... pra... pra...nada. Mas, lembrem-se nesse próximo domingo é dia de eleição. Não esqueçam de levar um documento com foto. Não levem aquela carteirinha do clube recreativo, ou de estudante. Descartem essa possibilidade, se depois de votar você estiver afim de tomar sol e aquele cervejão, por favor leve seu RG ou Carteira de trabalho pra garantir que você não tenha que voltar em casa e perder seu domingo. 
    Nosso país é democrático. Viva a burrocracia!!!! Ops! Um relacionamento amoroso de um casal, tirando os extra conjugais, os triângulos amorosos, surubas, etc, não se sustentam na base da promessa, da fidelidade, do "eu te amo". Imaginem só caros eleitores, um relacionamento de 200 milhões ou mais de brasileiros, com desejos, anseios e muita esperança, com um Presidente e um vice? Haja burrocracia em nosso país!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Vamos as urnas eleger a aqueles que vão governar "nosso" país, ou nossas vidas? Vamos promover as bolsas misérias, bolsas cala a boca desgraçado, dois professores por sala e um salário de R$600,00 reais - só não sei de onde vai sair todo esse dinheiro, aliás, eu sei, é claro que é do seu bolso bestaleiro! Já ia me esquecendo de pedir seu voto para fazermos um Brasil verde, todo verde, igualzinho ao mundo de Shrek e Fiona. Só assim quando olharmos no mapa vamos ver aquela área demarcada de verde, e não mais de amarelo - e nem sei porque amarelo, pois não somos, nós do lado de cá,  afortunados. O verde vai saltar, literalmente, aos nossos olhos, com cheirinho de eucalipto, flores do campo, etc.
    Vocês que tomam sol na cabeça, o dia todo, fazendo boca de urna pra algum candidato, votem no partido oposto! Não é assim que vocês fazem? Vocês não sabem nem mesmo o que o candidato, que você veste a camisa, está prometendo, mas ele paga bem pra você tomar sol e jogar os santinhos, que foi tirado do dinheiro do nosso bolso, fora.
    Ninguém diz que você pode votar nulo, claro! Fazer revolução pra que? Seja marionete! Continuem sendo manipulados, viva a democracia brasileira!

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Gargalhadas

    Ha, ha, ha, ha, ha. A vida é muito engraçada. Não consigo resolver meus próprios problemas, e quero dar conselhos para os outros. Mas, com isso aprendi que tenho que resolver os meus problemas, eu mesma, sem depender de ninguém. Chega meu amor! Chega de tanto sofrer por algo que não vai me levar a lugar nenhum. Agora que as coisas perderam sentido, não quero achar sentido nenhum para nada. Esquece! Deixa pra lá. 
    Vou viver a minha vida, e dar valor para as pessoas que realmente me amam, e dentre essas pessoas você, com certeza não faz parte. Já demonstrou isso várias vezes, e não é de uma hora para outra que minha opinião mudará, você vai ter que ralar muito meu bem!
    A vida quer jogar? Vamos jogar o jogo da vida. Estou disposta a encarar, e vou com tudo pra ganhar. Comigo não tem essa de que jogo é divertimento. Quero ganhar e só a vitória me é útil, nunca perdi nada e não é agora que vou perder.
    Ha, ha, ha, ha, ha. Desistiu ou vai encarar? Ha, ha, ha, ha, ha.
    

domingo, 24 de outubro de 2010

    Definitivamente estou de mãos atadas. Não sei mais o que fazer. Sei que o que sinto dentro de mim é algo que não sei explicar com palavras. Só consigo sentir. E sentir me dói muito. Hoje sentir algo que não sei explicar. A humilhação, o aviltamento foram péssimos. Você faz tudo aquilo que diz que não quer que eu faça. Você está me transformando em um monstro. Eu não consigo sentir mais nada. Minhas emoções agora são rastros de um passado, que só consigo lembrar remexendo nas entranhas de mim. 
    Você está conseguindo me transformar em uma pessoa amargurada, insensível. Nunca pensei que alguém tivesse esse poder. Gostaria de dizer que não escolhi amar você como eu te amo. Que não posso, simplesmente, de uma hora pra outra deixar de amar-te, como se isso fosse uma simples escolha minha. Eu não domino o território do meu coração. Eu gostaria sim, parar esse sentimento num ponto, como se ele fosse uma máquina e eu pudesse controlá-lo. Mas, não posso. 
    Pensei, tentei fazer diferente. Queria ter podido mostrar que estou disposta a recuar o que sinto, e aprisioná-lo no fundo do meu coração. Mas, você não me deu a chance. Não é porque estamos separados, que tenho que transformar-me em sua inimiga à combater. Mas, pensamos diferente. Você acha que a vida deve ser assim, eu não. Não posso fazer nada em relação a isso. Gostaria que você crescesse e pudesse entender que essa atitude é mesquinha de sua parte. Gostaria de crescer e passar a entender o que você tanto deseja de mim. Não posso mudar o tempo. As coisas seguem seu rumo, tudo ao seu tempo. 
    A situação que você acredita existir entre nós, para mim já é passado. Você me magoou muito, e ainda hoje você me fere constantemente. Você só pensa em você mesmo. Nos seus sentimentos. Na sua vida. Mas, você não tem noção das coisas que se passam em minha cabeça. Dos sentimentos que tenho em meu coração. Eu sou de carne e osso, tente compreender isso, pelo menos uma vez na vida. Para e olhe pra mim, mas não com esses olhos de rancor. Um dia você já conseguiu me olhar com olhos de ternura, que agora se transformaram em olhos rancorosos. Sei que você não é assim.
    Não sei se um dia você olhará para trás e pensará que desperdiçou uma grande chance de ser feliz. Mas, eu sigo pensando que tentei dar o melhor de mim, para que esse desejo que tínhamos se tornasse realidade. E não me arrependo de nada do que fiz. E se erre foi tentando acertar. Se errei mais do que acertei, talvez seja, porque minha vontade de acertar era tão grande, que me consumia por inteiro. Queria que você considerasse os momentos maravilhosos que vivemos juntos. Que eles não se transformassem em fardos. E sim em boas lembranças. 
    Não estou te pedindo pra voltar pra mim. Se essa vontade surgir um dia em sua vida, é porque sentis saudade de mim e que um dia fui importante para você. Não vou forçar a barra. Não quero comprar o seu amor, quero conquistá-lo, se isso não for possível, pena. Você é muito importante para mim. Sou capaz de tudo para vê-lo feliz. Não sei se você faria o mesmo por mim, creio que não, hoje você não me faz feliz, pelo contrário, estás me fazendo muito infeliz. 
DEPRESSA
   DEPRESSÃO                           E
      DEPRESSIVO                                            D                    Ã
         DEPRECIATIVO
            DEPRECIADOR
               DEPRECIADO                                              S                     O
                DEPRESSA
               DEPRESSÃO                    P                                                    E
              DEPRESSIVO
           DEPRECIATIVO                                                    R
         DEPRECIADOR
      DEPRECIADO                                     E                              S
   DEPRESSA
DEPRESÃO                              Região que fica abaixo ou acima do nível do mar!

sábado, 23 de outubro de 2010

Desejo de não ser só um, transforma-me em dois!

    Quero tanto ter você. Me ensina o jeito certo de te ter ao meu lado, sem cometer loucuras, absurdos. Se não me ensinas, como posso aprender? Quero deixar de cometer tantas loucuras. Quero ser plausível comigo mesma, com os meus sentimentos, com os teus sentimentos, com tudo ao nosso redor. Quero buscar a felicidade ao teu lado.
    Eu só peço que me ame, pois sem seu amor estou completamente só, como nunca antes me senti na vida. Eu te amo. Sinto a sua falta. Sinto desejo de estar com você. Te perdi. Agora sei que deveria ter te dado mais valor. Deveria ter te feito mais feliz nos momentos que estávamos juntos. Ou ter te feito um pouco mais feliz. Mas, desperdicei momentos que poderiam ter ficado na memória como consolo do hoje, da sua ausência em minha vida.  
    Sinto tanto a tua falta, que não consigo parar de pensar em você. Essa saudade está me desestabilizando, me tirando do prumo, do rumo. Sinto uma dor tão grande em meu peito, que apenas não consigo. Sua falta me faz chorar, como antes nunca chorei por alguém. Eu só sei dizer que te amo. Amo tanto, tão profundamente, que dói meu peito. Mas, não é dor de desespero, de marcas doloridas, é dor que me aperta por inteiro, por saber que eu amo um alguém, e não sei se serei correspondida.
    Sinto uma imensa vontade de gritar. De gritar eu te amo, eu te amo... inúmeras vezes, para ver se cai a ficha. Já não tenho mais forças para brigar contra esse sentimento, que me consome por dentro. Já não posso mais me enganar. Não sei se ainda tenho forças para lutar por esse amor. Não amamos o mesmo amor. Eu queria tanto que você gostasse de mim, se não da forma que eu gosto de você, mas que seja de uma forma mais amável, que me fizesse sentir amada, pelo menos por um instante.
     Nunca pensei em um dia ter que pedir pra alguém me perdoar pelos meus erros. Mas, pra tudo tem sua primeira vez. Já não é mais um pedido, transformou-se em súplicas essa dor que sinto aqui dentro, e que só você poderá abrandá-las. Sinto uma enorme necessidade de você em minha vida. Também nunca pensei em um dia sentir tanta falta de alguém. Muitas pessoas já passaram pela minha vida. Só que você foi e é, realmente, a única pessoa que marcou de uma forma que não tem como voltar atrás ou esquecer. 
    Nessas últimas semanas as coisas poderiam ter dado certo pra mim. Mas, me falta você. Me falta o seu carinho, o seu amor. Me falta alguém em quem eu possa confiar de olhos fechados. Nessas últimas semanas poderia ter te esquecido. Mas, só me machuquei cada vez mais, com ilusões e decisões precipitadas, que me arrastam pro fundo de um abismo. Só sinto vontade de chorar. Minha alma está em prantos, e não é exagero, hipérbole. Você sabe que sou uma pessoa exagerada no sentir. 
    Às vezes, me pego parada pensando em nada. Minha mente não trabalha mais ao meu favor. Ela, simplesmente, pára por instantes intermináveis. O que faço 24 horas por dia é pensar, pensar em você, como se isso fosse te trazer para mais perto de mim, pelo menos serve de consolo ou então me machuca mais e me arrasta pro abismo. 
    Hoje, amanhã e sempre poderia ter sido do jeitinho que eu tinha imaginado para nós dois. Mas, as coisas não acontecem conforme o nosso desejo. O destino se encarregou de mudar meus planos. Seria perfeito nossos dias, poderia ter te feito muito feliz, como muitas vezes fomos felizes juntos. Sinto saudades daquela época em que eu era feliz e não sabia. Mas, o ser humano é imperfeito e passível de erros. Mas, não deu, nada aconteceu como planejei. Queria ter podido começar, de hoje, uma nova vida ao teu lado. Mostrar que posso ser diferente nos desastrosos atos enlouquentes que cometo. Mas, ainda quero te fazer feliz, muito feliz ao meu lado. Te farei a pessoa mais feliz e amada de todo esse mundo, como ninguém nunca foi. Isso não é uma promessa. É minha missão nessa vida. Vou cumpri-la à risca, e não deixarei que nada nem ninguém me desvie do meu caminho. 
    Não vou ficar só em palavras. Daqui para frente minhas atitudes corresponderão com minhas concepções.
    Preciso encontrar com urgência a resposta para muitas questões que permeiam minha vida, se não enlouquecerei. Antes que me transforme em uma pessoa que não sou: rude, egoísta, e um pouco mais cética do que já sou. Eu preciso de uma chance para começar tudo de novo, do zero. Construir uma história digna de nós dois. 
    Eu te desejo tanto, que esse desejo me consome por dentro. Sinto você dentro de mim. Ainda posso sentir cada toque seu em meu corpo. Cada carícia como se fosse ontem. Está tudo tão vivo em mim, tão latente, que, às vezes, acredito estar acontecendo de verdade, novamente. Posso senti-lo em meus sonhos. Essas sensações me apavoram. Tenho medo. Muito medo de nunca mais te ter ao meu lado. Meu medo, minha insegurança me transforma em outra pessoa. De tanto ter medo de perder acabei te perdendo pro medo. Isso dói aqui dentro. Cada linha dessa são facas que dilaceram minha alma. Não é fácil falar. 
    Não quero mais amar ninguém. Não quero mais magoar ninguém. Não quero me iludir, tão pouco iludir aos outros. Não sei se terei tempo pra amar alguém. Queria poder dormir e acordar aos 60, em 2046, para realizar o desejo de não estar mais aqui, como sempre desejei em toda a minha vida. Mas, me parece ser uma data tão longínqua que o desespero bate a minha porta. Muitas coisas já perderam seu real sentido. Elas  parecem estar fora do lugar. Como se algum dia estivessem estado de fato em algum lugar. 
    Desejo apenas desaparecer como pó. Sem deixar rastros ou vestígios de minha passagem.  Caso contrário, desejo estar com você, que é o amor de minha vida, e a quem devoto minha humilde existência nessa vida. Não sei mais o que dizer... Queria poder beijar sua boca e dizer apenas...EU TE AMO!

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

    A janela, embaçada pelas lágrimas de saudade que escorrem no rosto. Lá fora, a estiagem que suspira no amanhecer. Aqui dentro, um aperto no peito, que dói, que machuca. Estou esperando por um alguém, que não sei se vai voltar. Um alguém que é amado. 
    A chuva estia, a lágrima cessa no rosto, a dor aperta no peito. A saudade dói tanto, que não tenho forças para escrever, nem mesmo um simples bilhete de ida ao supermercado, ou de desculpas. Sinto tanto, um aperto que não consigo dizer ao certo o que estou sentido. Sei que jorra milhões de sentimentos dentro de mim.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Agrdecimentos, Gracias, Thank

    Fico feliz em saber que meu blog está sendo visitado por pessoas de outros países.  Agradeço a visita e voltem sempre. Deixem comentários ou sugestões, pois serão bem vidas. Abraços da p(r)oeta!

Me alegra saber que mi blog está siendo visitado por personas de otros países. Gracias por su visita y vuelve siempre. Deja comentarios o sugerencias, serán bienvenido. Poet abrazos!

Glad to know tht my blog is being visited by people from other coutries. Thank you for visiting and keep returning. Let comments or suggestions, they will be welcome. Hugs poet!

Amor ou amizade?

     Não sei mais o que pensar. Não sei mais o que fazer. Não sei mais se tenho esperança. Não sei se desisto ou se insisto. Porém insistir, creio que não seja a solução. Às vezes, as coisas acabam, e simplesmente, temos que aceitar, nos consolar com o término. Hoje, sei que não dá mais pra ser da forma que era. Se eu quiser terá que ser de uma forma mais amistosa. 
    Mas, a gente nunca escolhe, aceita. O outro tem o direito de escolher, de opinar, de dizer o que quer. Não posso ir de contra isso, é um direito, e direito não se anula, não se tira. A escolha é uma coisa cruel. Escolher amar ou ser amigo? És a questão. Escolher aquilo que faça bem para ambas as partes é mais leal, mais justo e honesto.
    A solidão é prazerosa. Me sinto só, e quero sentir-me só dentro de mim mesma. Quero buscar respostas que outrora não obtive, por isso errei muito, magoei muito e desperdicei o melhor de mim e da minha vida. Contudo, se aprende com os erros. Os meus foram mais do que lições, foram aprendizados que levarei para o resto de minha vida, e que com certeza nunca esquecerei. Não quero errar mais, mas sou imperfeita e sei que estou sujeita a errar sempre. 
    Mas, sem mais mas, sem mais porém, contudo, entretanto, todavia quero seguir e conseguir obter a felicidade, ou momentos alegres se for possível. Quero fazer as pessoas se sentirem bem na minha presença. Sei que não é muito, mas é uma tarefa árdua, porém gratificante. 

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Balada de uma louca

    Eu queria ser igual as outras pessoas. Pensar como elas pensam, gostar como gostam, fazer o que fazem, da mesma forma. Eu queria ser o que elas pensam que sou. Mas, não sou nada disso. Escolhi ser diferente. Bem diferente. Escolhi ser uma outra pessoa. Estava cansada de ser como elas. Era muito chata essa vida de igualdade. Mas, ser diferente traz muitas implicações, e não ser igual a elas é questionador.
    Não sei dizer, exatamente, se consigo ser feliz sendo diferente. Mas, sei que vivo. Sei que viver, apenas, não me é o suficiente. Porém o suficiente agora pra mim está sendo, apenas, viver. Quero mais do que isso, quero mais do que posso ter, quero mais do que posso ser, quero ter mais do que dar. Quero muita coisa que sei que nunca terei. Queria ter domínio das coisas, poder dizer com exatidão quem eu sou, o que quero, sem titubear. Queria poder dizer não e não ter  nenhuma consequência. Queria poder dizer com mais firmeza e veracidade nunca mais me procure, porém sei que no fundo queria dizer o contrário. Mas, sei que não sei quem eu sou, por isso, talvez, eu queira tanta coisa.
    Fico pensando que eu poderia até não saber quem sou, mas queria saber quem são as outras pessoas, o que elas pensam, o que elas desejam. Assim poderia me encontrar. Quem sabe? Não é uma idéia plausível, mas é razoável, pois assim eu seria várias, de acordo com os desejos delas. Assim eu seria diferente como sou hoje, e teria uma explicação possível e não comprometedora para a minha diferença.
    Às vezes, fico pensando que sou louca em pensar tanta coisa, que parecem ser tolas a certo ponto. Sei que é normal pensar na vida, mas é estranho pensar em tantas coisa que parecem ser mais do ramo da psicologia, quem sabe da psiquiatria. Uma mente perturbada, confusa que se perde dentro de si mesma, como num labirinto cerebral. Isso é o que somos, isso é o que sou exacerbadamente.
    Todos nós somos loucos. Uns mais, outros menos. Eu sou louca. Louca para viver a vida de verdade. Louca para amar alguém que me ame por inteiro. Louca para ser feliz, uma felicidade eterna para contrariar a própria felicidade.  Sou louca fazer alguém feliz, ao ponto de dar minha vida como garantia ou para salvá-lo do abismo. Sou louca para fazer loucuras por um amor meu, só meu. Sou louca porque vivo ao extremo. Sou louca porque gosto ao ponto de me anular. Sou louca porque vivo de uma forma diferente, para poder esquecer os problemas, que perto dos de outras pessoas são só exageros de minha parte.
    Como diz duas músicas de dois grandes cantores: "dizem que sou louco por pensar assim", digo o que penso, o que sinto, e sinto profundamente: "eu que não sei quase nada do mar, descobri que não sei nada de mim", por isso navego por mares desconhecidos em busca de uma resposta, não sei se exata, mas que ao menos seja plausível e razoável a ponto de me convencer que sou ou que posso vir a ser um alguém hoje, amanhã ou um dia desses qualquer.

domingo, 10 de outubro de 2010

A vida é uma desgraça!

    A vida é uma caixinha de surpresa. Essa é uma frase clichê, mas é a mais pura verdade. Só quem já teve as suas reservas de surpresas esgotadas pode saber do que estou falando. Ela nos reserva muitas surpresas, e dentre elas muitas decepções. Hoje acredito que as decepções podem superar em muito os grandes momentos. Pois as decepções são dolorosas em si, e fazem crescer um sentimento que é diferente de tudo que já se sentiu.  
    A maior decepção que se pode ter na vida é descobrir depois de um tempo, de um bom tempo que não era, que não é, e que nunca será amado pela pessoa que tanto se devotava. É fácil mentir pra si mesmo, mais fácil ainda torna-se mentir para o outro. "Uma mentira dita várias vezes se torna uma verdade", mais que uma verdade. Causa até comoção, mas depois transforma-se em raiva, dor, mágoa, um sentimento de desprezo de si mesmo, por ter sido tolo e acreditado por tanto tempo em uma mentira deslavada.
   A gente passa a desacreditar nas pessoas, nas coisas, em tudo. Torna-se cético. Sente raiva, vontade de transgredir todas as regras, de burlar todas as leis. Sente vontade de flagelar-se, de punir-se. Sente vontade de matar, de morrer, de ir para a guerra pro que der e vier. Sem medo de morrer, sem medo de matar, mas com muita vontade de morrer para acabar com esse sentimento que dói, que machuca e dilacera a alma.
    A decepção é uma faca de dois gumes, pois vc está em crise com alguém, mas sabe que o ama. Às vezes, o amor acaba superando as crises. Mas, no fundo o coração está machucado, sangrando. Isso pode parecer até romântico demais, surreal, dramático, mas quem já passou por isso, quem já sentiu na carne viva a dor que seu corpo sente, que seu coração pulsa de uma forma diferente, como se fosse parar a qualquer momento sabe do que estou falando. A gente só quer que ele pare, que de uma vez ele faça o serviço que não conseguimos fazer de próprio punho, e em sã consciência. Ou talvez, a gente pare de sofrer e passe a enxegar aquilo que não queríamos, por achar que era mais conveniente. Conveniente pra quem? Pra mim? Acredito, hoje, que não. A gente faz tudo aquilo que acredita agradar ao outro, ao invés de tentar agradar a nós mesmos. A gente se entrega ao outro de corpo e alma, e o que o outro faz? Nos apunhala pelas costas com uma realidade que não era na real, com uma bomba que explode em suas mão, arranca-as e você simplesmente não sabe o que fazer, se grita, se chora, se pede socorro ou fingi que não é com você.
    De uma coisa temos certeza, não adianta gritar, pois ninguém irá te salvar. Seus medos, suas dores, sua angústia estão dentro de você. Só você poderá aplacá-los. Só você poderá superá-los. Ninguém vai te dar a mão. Ninguém te dará colo, carinho. Ninguém te dirá palavras consoladoras, que possam diminuir suas dores. Ninguém, simplesmente, fará nada por você, a não ser você mesmo e Deus.
    De uma coisa a gente passa a ter certeza, que não temos mais em quem acreditar, parece ser melancólico, dramático, mas é assim que sinto, e sei que é a mais pura realidade, para quem ama de verdade pelo menos. O que dizer diante das evidências? Nada. Apenas calar-se. Daí todas as fichas começam a cair, todas as coisas tolas ditas ao vento, todas as brigas infundadas fazem sentido. As pessoas nos decepcionam, mas a culpa não é delas. A culpa é nossa em depositar todas as fichas nelas, em querer que elas supram nossas expectativas, nossas necessidades. A culpa é minha em querer um alguém que não existe e que não posso criar.
    A gente muda, se transforma em outra pessoa. Essas são as consequências das nossas decepções. Ou a gente muda e se transforma em uma pessoa melhor, ou se conforma e se transforma em um monstro. Um monstro criado a partir de uma situação mal resolvida. A gente se torna intolerante, intransigente, irracível. Eu me transformei em um ser que desconheço-me por completo. Olho-me no espelho e não vejo mais aquela pessoa alegre que era antes, já nem sei mais de quem é esse sorriso. Tudo em mim é estranho. Eu me tornei uma estranha de mim mesma.
    Eu sempre soube que as pessoas são capazes de fazer coisas que nem elas mesmas imaginam. Porque eu me transformei em uma bomba relógio, que à todo o momento faz tic-tac prestes a explodir. Eu imagino coisas, e sei que sou capaz de torná-las reais. Eu torno real coisas que não imaginava, mas sabia que no meu subconscientes eu seria capaz de trazê-las à tona.
    Os que amam só desejam ser compreendidos. Os que amam levam consigo a dor de um deslumbramento. Mas, os que amam também passam a ter mais vergonha na cara e cuidam mais de si mesmos. Estou doando todos os meus sentimentos, não quero mais sentir. Quero que meu coração se transforme em uma rocha, em um meteorito. Não quero mais sentir, como sinto agora. Não quero mais amar, como amo e sei que amarei. Sou muito fraca. E a minha fraqueza está em satisfazer as vontades dos outros e esquecer de mim. Quero esquecer do mundo, quero esquecer que sou isso. Quero deixar de existir. Se existir é penar, sofrer, então prefiro morrer e existir só na memória daqueles que realmente fiz diferença. Quem sabe perdendo a gente passa a dar valor as coisas que se tinha e esnobava. Um dia a gente descobre que não existe muita diferença entre viver e morrer. Morrer se torna mais conveniente. A vida é uma desgraça! Viver é uma desgraça. Estou desgraçada nessa vida, e já não faz tanta diferença estar aqui contando isso tudo, pois as coisas passam, eu já passei. Prefiro o açoite constante da morte em mim, do que sofrer as duras penas e flagelos que as pessoas me imputam. Viva a hipocrisia, a demagogia e o egoísmo dos nossos algozes.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Termômetro




     Se o que eu escrevo é o termômetro para você saber como estou, gostaria que você me dissesse como me sinto, como estou e o que estou pensando agora? Não! Creio que você nunca soube e que nunca, nunca saberá o que se passa em minha cabeça. Se você, realmente, soubesse não me trataria da forma que você me trata. Cansei de ser feita de saco de pancada. Meus sentimentos não são respeitados. Eu não sou um boneco mamulengo, que quem quer que seja possa fazer-me de brinquedinho
    Tudo bem! Você precisa de tempo? Te darei todo o tempo do mundo. Você vai encontrar um norte, colocará a cabeça no lugar, encontrará um novo amor. Quem sabe ainda dê tempo de você me visitar. Quem sabe eu possa estar bem. Se eu estiver viva já será um bom começo. Se isso acontecer pode me procurar em algum sanatório, num hospital ou no inferno!
    Ainda diz que me ama! Até acredito, mas esse amor passa muito rápido. Cansei desse amor fugaz. Cansei dessa inconstância de sentimentos, de emoções. Cansei de toda vez ser eu quem te procuro pra pedir desculpas por algo que nem sei o que fiz. Agora a minha regra é só uma: quem quiser me amar ou ter-me como amiga será da minha forma, do meu jeito. Continuarei sempre ligando, me preocupando com que eu amo, com datas comemorativas, falarei muita besteira, brincarei sempre. Essa sou eu! Quer alguém diferente? Procure em outra pessoa, pois eu não sou a pessoa indicada para isso.
    Cansei de levar a culpa pelas coisas que o mundo faz com você, e você descarrega a culpa em mim. Cansei de ser essa mulher "bobinha" que os outros fazem o que bem entendem. Cansei de ir e vir. Agora eu quero um porto para atracar meus sentimentos. Não quero ter um amor inconstante, pois eu sei o que quero, pra onde vou e com quem quero estar. Você está ciente disso. E aí, você já descobriu através do seu termômetro o que estou sentindo? Qual a temperatura das minhas emoções? Creio que não, isso tudo que digo não é nada pra você, não é significante. Os meus problemas, o meu sentimento não tem nenhum valor pra você. 
    Ah, posso até ser uma pessoa legal, que você recomendaria pra alguém, se perguntassem. Mas não quero ser uma pessoa legal. Eu quero que me amem, como eu sou, que me entendam. Não quero ser aquilo que os outros desejam encontrar em mim. Não quero ser igual a ninguém. Não sou melhor nem pior que os outros. Eu sou eu e ponto final. Aceite-me se quiser e se puder, pois nunca te forcei à nada, você é grande o suficiente para saber o que quer.
    Estou a ponto de cometer uma loucura ou até mesmo de ficar louca, mais louca do que já sou, se isso é possível. eu tenho vontade de tocar fogo no mundo, de destruir todas as coisas que aparecem em minha frente. Tenho vontade de sumir do mapa, não deixar vestígios, de dormir e achar que tudo isso foi um pesadelo, de ter amnésia para poder esquecer que um dia te conheci. Só assim tudo o que você deseja: que eu suma, que eu não ligue, que eu não apareça, que eu, simplesmente, te esqueça se torne realidade. Sinto cansaço, muito cansaço. Já não tenho mais forças para lutar contra qualquer coisa, principalmente contra essas briguinhas que começam do nada e acabam em avalanche ou em você me mandando ir embora. É sempre um dejavú. 
    Tenho sono. Minhas noites são horrendas. Meu corpo já não obedece mais aos meus comandos. Minhas obrigações estão tornando-se enfadonhas.   Não aceitarei mais as suas desculpas. Agora quero respeito. Se você não tem por mim, eu te peço. Creio que seja a única coisa que nos falta. Um dia pensei que você tivesse, mais hoje sei que foi engano. O problema não está em você ou nos outros, o problema está em mim que deixo que os outros façam o que bem entendem comigo.
    Mas agora acabou! Não tolerarei mais nada de quem quer que seja. Se querem ver uma pessoa rude, estúpida, maquiavélica, calculista? Pois bem acabaram de fazer uma! Que se foda todas as regras. Que se foda todos os sentimentos. Que se foda o altruísmo. Que se foda todo mundo. Agora vou ser egoísta. Agora vou ser má, aliás não, bem perversa, foda! Acho que seu termômetro está quebrado, pois ele não previa isso.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

O homem da multidão

    Na multidão não me sinto só. Na multidão procuro me encontrar. Nessa multidão de corpos, cabeças, cheiros, faces, pensamentos e sentimentos me sinto um alguém. Tenho motivo para me encontrar, só não me sinto, não sou ninguém. Apenas, não sou. Não sinto. Não amo. Apenas sou.
    Seu rosto, seu corpo, o óculos, os pelos espalhados em seu corpo e sua bota de guerra podem me representar no meio dessa multidão que me cerca. Porque você? Nos seus olhos vejo o perdido, como me vejo. Cogito ergo sum? Não! Penso e nem existo.
    Sua bota de guerra suportará todas as pedras do caminho, e deixará pegadas para que caso nos percamos (eu e você) possamos nos encontrar e voltar pelo mesma vereda, em um novo recomeço, árduo.
    Sei que estás no mesmo caminho que eu. Até sinto que és igual a mim, que habitamos o mesmo mundo. Será por isso que te entendo? Sei que você também me entende, apesar de nunca ter dito, mas no fundo dos teus olhos posso ver toda a verdade que nos esconde. Nesse liquido em que vivemos nos desmanchamos, assim como tudo que almejamos desmancha no ar.
    Aquele outro alguém, pensando bem, também pode ser um alguém no meio dessa multidão. Um alguém, que assim como nós, procura um caminho. É meu caro, ela está no mesmo barco que nós, e se afundarmos iremos juntos, todos juntos. E o pior é que nem sei nadar, ou aprendo ou morrerei. Na verdade nem sei se faz muita diferença, viver e morrer.
    Sei que ela também guarda algo, no fundo dos seus olhos posso decifrar aquilo que ela não disse com palavras. Posso até está errada. Mas, nunca me enganei com os meus poderes de bruxa. Prevendo o futuro. Se eu estiver errada continuaremos sós na multidão e afundaremos juntos no mesmo barco, se não acharmos o caminho "certo". Sei que não há volta. O nosso caminho é só um. Podemos até tentar fugir, mas sempre retornaremos ao mesmo caminho. Se voltarmos nunca seremos felizes. Já não somos sem saber para onde vamos.
    Quem sabe um dia nos encontramos e paramos num bar? Tomaremos uma cerveja e conversaremos sobre o nosso futuro, incerto. Quem sabe se o nosso futuro é não ser, e apenas existir para fazer vir a existência de outros? Mas, enquanto não descobrimos a verdade, a nossa verdade, caminharemos juntos, beberemos e conversaremos mais um pouco. Me conta mais um pouco sobre você, além do que consigo ler em seus olhos, em sua bota de guerra, em seus óculos e em seus pelos...